O diretor neozelandês Andrew Adamson mostrou sua terra natal para o mundo através de um de seus romances de infância preferidos.

O amor do cineasta neozelandês Andrew Adamson por paisagens de sua terra natal fica evidente em suas adaptações para o cinema da clássica série infantil As Crônicas de Nárnia de C. S. Lewis.

Amados por crianças de todas as idades, este mundo de fauns, satyrs e centaurs foi levado para a telona pelo diretor neozelandês Andrew Adamson com sua adaptação de 2005 do Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa que se tornou o 41° filme mais rentável de todos os tempos.

Desde então, houve mais dois filmes de Nárnia - Príncipe Caspian (2008), também dirigido por Adamson, e A Viagem do Peregrino da Alvorada (2010).

Eu acho que há uma abertura na Nova Zelândia e uma liberdade, na forma como eu cresci, que incentivaram a abertura da imaginação.

Cena do Príncipe Caspian, Nova Zelândia

Cena da filmagem de Príncipe Caspian

A história acompanha quatro crianças da mesma família que precisam sair de sua cidade porque a Primeira Guerra Mundial está acontecendo. Uma mulher e um professor levam as crianças para sua casa. Durante um jogo de esconde-esconde, o membro mais jovem da família Lucy encontra um guarda-roupa para se esconder. Ela entra e sai do guarda-roupa e encontra um local chamado Nárnia. Depois de irem duas vezes, as quatro crianças vão pela última vez. Eles lutam com lobos, conhecem animais falantes, encontram uma feiticeira branca má e um leão magnífico chamado 'Aslam'.

Disney.

Qual é a próxima parada?